O bem-estar através das tecnologias digitais: um estudo em populações 50+

Henrique Teixeira Gil

Resumen


O conceito de «envelhecimento saudável» refere-se ao processo de desenvolvimento e manutenção da capacidade funcional, que contribui para o bem-estar das pessoas idosas, a nível funcional (Bem-estar mental) e da interação da pessoa com o meio (Bem-estar social). O acesso à informação através da aprendizagem ao longo da vida constitui um elemento vital para o envelhecimento, capaz de influenciar o Bem-estar. Neste contexto surge esta investigação que teve como objetivo geral identificar os fatores socioculturais que influenciam a opção pela aprendizagem das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC), em populações 50+, e conhecer os impactos desta aprendizagem no Bem-estar ao longo do processo de envelhecimento.

Métodos: Estudo misto de carácter quantitivo/qualitativo, envolvendo uma amostra de 374 participantes que responderam a um questionário e 5 diretores das Universidades Seniores do distrito de Castelo Branco, Portugal, que foram entrevistados através de entrevista semiestruturada.

Resultados: Os fatores que explicam a escolha pela aprendizagem das TIC incluem a necessidade de atualizar conhecimentos, estar ativo intelectualmente e utilizar melhor o computador. Os impactos desta aprendizagem no Bem-estar mental incidem essencialmente no estímulo da memória e nas aptidões intelectuais, raciocínio e pensamento. No Bem-estar social incidem na comunicação, na participação na sociedade digital e na relação entre a inclusão digital e social.


Palabras clave


bem-estar mental; bem-estar social; envelhecimento saudável; Tecnologias digitais

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Cabral, M., Ferreira, P., Silva, P., Jerónimo, P., & Marques, T. (2013). Processos de Envelhecimento em Portugal. Usos do tempo, redes sociais e condições de vida. Lisboa: Fundação Francisco Manuel dos Santos.

Carleto, G., & Santana, S. (2017). Relações intergeracionais mediadas pelas tecnologias digitais. Revista Kairós Gerontologia, 20(1), 73-91.

Costa, J. (2010). Os idosos e as novas tecnologias: perspetivas para uma maior qualidade de vida. Tese de Doutoramento, Universidade de Santiago de Compostela, Santiago de Compostela.

Coutinho, C. (2014). Metodologia de investigação em ciências sociais e humanas: teoria e prática. Coimbra: Edições Almedina.

Dias, I. (2012). O uso das tecnologias digitais entre os seniores. Motivações e interesses. Sociologia, Problemas e Práticas, 68, 51-57.

Gil, H. (2015). Cidadania Digital 65+. Os cidadãos 65+ do concelho de Castelo Branco. As TIC, a e-Saúde e o e-Governo local. Coimbra: Edições MinervaCoimbra.

Gil, H. & Galvão, L. (2015). Infoincluir cidadãos 50+. O contributo formativo da USALBI – Universidade Sénior de Castelo Branco. In 11ª Conferência Ibérica de Sistemas e Tecnologias de Informação (pp. 544-549). Ilha Gran Canária, Espanha.

International Longevity Centre Brazil. (2015). Active ageing: a policy framework in response to the longevity revolution. Rio de Janeiro.

Paola, J. (2012). Los Desafios de la intervención Professional del Trabajo Social en el actual contexto. In J. Paola, P. Danel, & R. Manes. Reflexiones en Torno al Trabajo Social en el Campo Gerontológico – Tránsitos, miradas e interrogantes (pp. 12-25). Buenos Aires: Universidad de Buenos Aires.

Páscoa, G. (2017). Fatores socioculturais na formação ao longo da vida: um estudo sobre a aprendizagem das tecnologias da informação e da comunicação em populações 50+. Tese de Doutoramento, Universidade de Lisboa, Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas – ISCSP, Lisboa.

Páscoa, G., & Gil, H. (2015). Uma nova forma de comunicação para o cidadão sénior: Facebook. Revista Kairós Gerontologia, 18(1), 9-29.

Pordata (2017). Retrato de Portugal. Edição 2017. Lisboa.

Portugal. Ministério da Saúde. Direção-Geral da Saúde. (2015). Plano Nacional de Saúde: revisão e extensão a 2020. Lisboa.

Galinha, I., & Ribeiro, P. (2005). História e evolução do conceito de bem-estar subjectivo. Psicologia, Saúde & Doenças, 6(2). 203-214.

Sales, B., & Cybis, A. (2003). Desenvolvimento de um checklist para a avaliação de acessibilidade da web para usuários idosos. In Proceeding CLIHC ´03, Proceedings of the Latin American Conference on human-computer interaction (pp. 125-133).

Sales, M.B. de, Amaral, A., Junior, S., & Sales, A.B. de. (2014). Tecnologias de Informação e Comunicação via Web: Preferências de uso de um grupo de usuários idosos. Revista Kairós Gerontologia, 17(3), 59-77.

Selwyn N., Gorard, S., Furlong, J., & Madden, L. (2003). Older adults´use of information and communications technology in everyday life. Ageing & Society, 23, 561-582.

World Health Organization (WHO) (2002). Active ageing: a policy framework. Geneva.

World Health Organization (WHO) (2015). “Ageing well” must be a global priority.




DOI: http://dx.doi.org/10.17060/ijodaep.2018.n2.v1.1144

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2018 Henrique Teixeira Gil

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

"International Journal of Developmental and Educational Psychology."

Revista Infad de Psicología.

ISSN digital: 2603-5987

ISSN impreso: 0214-9877