O tecnostress em profissionais de saúde nos cuidados de saúde primários

Cláudia Chaves, João Duarte, Paula Nelas, Emília Coutinho, Carla Cruz, Rui Dionisio

Resumen


Enquadramento: O uso de tecnologias de comunicação e informação, com o recurso constante a aplicativos informáticos, no trabalho diariamente pode induzir a um estado psicológico negativo, também designado por tecnostress. Objetivos: Caracterizar o nível de tecnostress nos profissionais de saúde dos cuidados de saúde primários; identificar de que modo as variáveis sociodemográficas e o tecnostress se relacionam nos profissionais de saúde. Metodologia: Estudo quantitativo, transversal, descritivo e correlacional. O instrumento de recolha de dados utilizado foi questionário sociodemográfico e a Escala de Tecnostress (Carlotto & Câmara, 2010). Resultados: A amostra é constituída por 100 profissionais de saúde, maioritariamente do sexo feminino (72,0%), com uma idade média de 46,14 anos (± 10,72 anos), 49,1% são enfermeiros e 28,1% médicos, com menos tempo de exercício profissional na Unidade (35,0%) e com anos de experiência profissional entre 16-22 (34,0%). São os profissionais de saúde do sexo masculino os que revelam mais tecnostress, à exceção do ceticismo (OM=52,53), onde foram as mulheres que pontuaram mais. Os homens revelam mais uso compulsivo das Tecnologias de Informação e Comunicação. Conclusão: Os dados obtidos sugerem a implementação e monitorização de medidas que potenciem uma melhor utilização das tecnologias informáticas de comunicação no local de trabalho em profissionais de saúde nos cuidados de saúde primários.


Palabras clave


profissionais de saúde; cuidados de saúde primários; tecnostress

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


Carlotto, M. S. (2011). Tecnoestresse: Diferenças entre homens e mulheres. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 11(2), 51-64. Acedido em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-66572011000200005

Carlotto, M. S., & Câmara, S. G. (2010). Tradução, adaptação e exploração de propriedades psicométricas da escala de tecnoestresse (RED/TIC). Psicologia em Estudo, 15(1), 171-178. https://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722010000100018

Ferreira, A. P. C. (2014). Tecnologia de informação, controle e mundo do trabalho: pensar tecnologia na ótica do trabalhador. Revista Eletrônica de Ciências Sociais, 11, 14-24. Acedido em http://www.periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/caos/article/view/46917

Silva, M., Queirós, C., & Cameira, M. (2016). Saúde no trabalho: Tecnostress e burnout em enfermeiros. International Journal on Working Conditions, 12, 54-70. Acedido em http://ricot.com.pt/artigos/1/IJWC.12_Silva,Queiros&Cameira_54.70.pdf

Souto, S. M. de O. (2003). O profissional da informação frente às tecnologias do novo milênio e as exigências do mundo do trabalho. In IV CINFORM: Encontro Nacional de Ciência da Informação, IV Anais: Ciência da Informação: Fronteiras e tendências. Salvador: UNICAMP. Acedido em http://www.cinform.ufba.br/iv_anais/artigos/texto16.htm




DOI: https://doi.org/10.17060/ijodaep.2019.n2.v1.1699 Statistics: Resumen : 66 views. PDF (Português (Portugal)) : 37 views.  

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2019 Cláudia Chaves, João Duarte, Paula Nelas, Emília Coutinho, Carla Cruz, Rui Dionisio

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

"International Journal of Developmental and Educational Psychology."

Revista Infad de Psicología.

ISSN digital: 2603-5987

ISSN impreso: 0214-9877