Consumo de substãncias estimulantes versus perturbações do sono em estudantes do ensino superior

Madalena Cunha, Carlos Albuquerque

Resumen


Introdução: O sono é um fenómeno fisiológico complexo ao qual se associam frequentemente as situações de insonia. Objetivo: Analisar se o consumo de substâncias estimulantes (café, tabaco, álcool) influi na ocorrência de perturbações do sono/insónias nos estudantes do ensino superior. Métodos: Estudo de natureza descritivo com foco transversal numa amostra de 636 estudantes do ensino superior, (74.6% do sexo feminino) que responderam ao Questionário ad hoc sobre dados sociodemográficos e consumo de substâncias estimulantes; Questionário sobre Hábitos de Sono; Questionário Geral do Sono; Resultados: A maioria dos estudantes manifesta perturbações do sono (84%) consomem café (58,6%), ingerem bebidas alcoólicas (65,2%) e consomem tabaco (32,23%). Conclusões: A probabilidade de sofrer de insónias associou-se ao género (mais frequente nas mulheres), sendo seus preditores auferir de fracos recursos socioeconómicos e consumir café e tabaco.


Palabras clave


estudantes do ensino superior; insónias; substâncias estimulantes

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


Attarian, H. (2001). Ajudar os doentes que referem não conseguir dormir: Formas práticas de avaliar e tratar as insónias. Postgraduate Medicine, 16(2), 23-35.

Baptista, T. M. (1988). Aspectos cognitivos do “stress” associado a alterações do estado de saúde. Psiquiatria Clínica, 9(4), 281-285.

Barbosa, M. (2000). Despertar para o sono. Acedido em http://www.ajc.pt/cienciaj/n23/invivo2.php

Castro, F. A. (1989). Alterações de sono na distímia: Aspectos clínicos, neurofisiológicos e psicofarmacológicos (Tese de Doutoramento). Lisboa: Universidade Clássica de Lisboa.

Chopra, D. (2000). Um sono descansado: O programa completo para mente e corpo que lhe permitem vencer a insónia. Lisboa: Rocco.

Cunha-Nunes, M. M. J. (2004). (In) Sucesso escolar no ensino superior: Variáveis biopsicossociais. Castelo Branco: Politécnica.

D’Hainaut, L. (1992). Conceitos e métodos da estatística: Vol. 1. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Davies, D. (2001). Insónia: Guia elementar. Lisboa: Círculo de Leitores.

Ferreira, A. M., Pissarra, C., Clemente, V., Coelho, I., Gomes, A., Azevedo, M. H. P. (2001). Avaliação da insónia. Psiquiatria Clínica, 22(4), 267-284.

Holmes, D. S. (1997). Psicologia dos transtornos mentais (2ª ed.). Porto Alegre: Artes Médicas.

Jahanshahi, M. (1991). A insónia. Nursing, 41, 39.

Maltez, J. (2001). O tratamento intermitente da insónia. Mundo Médico, 3(16), 108-110.

Mccall, W. Vaugh. (2002). Guia prático de insónia. Algés: Euromédica – Edições Médicas, Lda. MD, MS.

O’Hanlon, B. (2001). As insónias. Mem Martins: Europa América.

Pestana, M. H., & Gageiro, J. N. (2008). Análise de dados para ciências sociais: A complementaridade do SPSS (5ª ed.). Lisboa: Edições Sílabo.

Veiga, J. M. B. (1995). Cuidados de enfermagem no sono. Sinais Vitais, 3, 33-36.




DOI: https://doi.org/10.17060/ijodaep.2019.n2.v1.1702 Statistics: Resumen : 51 views. PDF (Português (Portugal)) : 26 views.  

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2019 Madalena Cunha, Carlos Albuquerque

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

"International Journal of Developmental and Educational Psychology."

Revista Infad de Psicología.

ISSN digital: 2603-5987

ISSN impreso: 0214-9877