Apego e institucionalização

Cláudia Vaz Torres

Resumen


Este trabalho tem como objetivo analisar o apego no contexto de institucionalização de crianças que construíram as suas infâncias no entorno das prisões, enquanto as mães cumpriram pena de reclusão em unidades do sistema prisional. A base teórica do tema proposto centra-se na abordagem culturalista, e social. A pesquisa desenvolvida durante o Doutorado em educação pretendeu responder à indagação: Como as crianças vivenciam a experiência do cárcere do pai e/ou mãe? Metodologicamente se define como uma pesquisa qualitativa, do tipo Estudo de Caso Etnográfico que permitiu o conhecimento dos significados e experiências culturais da infância através de uma descrição que apontou o sentido que as crianças dão a vida carcerária, como interpretam e estruturam, a partir desse sentido, o seu mundo. Foi constatado que o desenvolvimento de uma criança na penitenciária pode ser caracterizado por uma construção de apego em que a criança experimen ta ciclos de proteção e ao mesmo tempo de afastamento e consequentemente desproteção. As crianças vivenciam conflitos porque veem e sentem a situação de aprisionamento e punição do familiar, convivem num contexto de institucionalização no Abrigo e enfrentam a condição de pertencer a um grupo: filhos de presidiários.


Palabras clave


Infância; apego; sistema prisional

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


BOWLBY, John. (1984) Apego. São Paulo: Martins Fontes.

BOWLBY, John. (2002). A natureza do vínculo. São Paulo: Martins Fontes.

BOWLBY, John. (2004) Apego e perda: separação, angustia e raiva. São Paulo: Martins Fontes.

BOWLBY, John. (2006) Formação e rompimento dos laços afetivos. São Paulo: Martins Fontes.

BRASIL. Presidência da República. Lei N°. 7.210, de 11 de julho de 1984. Institui a Lei de Execução Penal. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L7210.html. Acesso em: 11 jun. 2012.

FERNANDES, Natalia. (2005) Infância e direitos: Participação das crianças nos contextos de vida – representações, práticas e poderes. Tese (doutoramento) – Universidade de Minho, Braga, Portugal. Disponível em: http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/6978/5/Doutoramento%2520-%2520Vers%25C3%25A3o%2520Final%252014_06_%25202005.pdf. Acesso em: 02 fev. 2014.

GOFFMAN, Erving. (1987) Manicômios, prisões e conventos. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1987.

MONTANDON, Cleopatre. (2005) As práticas educativas parentais e a experiência das crianças. Educ. Soc., Campinas, v. 26, n. 91, p. 485-507, Maio/Ago. 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v26n91/a10v2691.pdf. Acesso em: 14 jun. 2013.

SARMENTO, Manuel Jacinto.(2002) Infância, exclusão social e educação como utopia realizável. Educação & Sociedade, 2002, v. 23, n. 78, ISSN 0101-7330. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302002000200015&lng=&nrm=iso&tlng=. Acesso em: 15 jun. 2013.(2007) Visibilidade social e estudo da infância. VASCONCELOS, Vera Maria Ramos; SARMENTO, Manuel Jacinto. Infância (in) visível. Araraquara, SP: Junqueira & Marin, 2007. p. 25-49.

SIROTA, Regine.(2001) Emergência de uma sociologia da infância: evolução do objeto e do olhar. São Paulo: Cadernos de pesquisa, n. 112, Mar. Disponível em: www.scielo.br/pdf/cp/n112/16099.pdf. Acesso em: 12 jul. 2013.

TORRES, Cláudia Regina Vaz. (2004) Desconstruindo a identidade de “criminoso/a”: o significado das ações educativas no sistema penitenciário. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia. Salvador.

VIGOTSKI, Lev Semionovich. (1998) A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes.

VIGOTSKI, Lev Semionovich. (2002) A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes.

WINNICOTT, Donald Woods.(2005) Privação e deliquencia. São Paulo: Martins Fontes.




DOI: https://doi.org/10.17060/ijodaep.2014.n1.v1.345 Statistics: Resumen : 629 views. PDF (Português (Brasil)) : 134 views.  

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2014 Cláudia Vaz Torres

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

"International Journal of Developmental and Educational Psychology."

Revista Infad de Psicología.

ISSN digital: 2603-5987

ISSN impreso: 0214-9877