Desenho da gravidez e sensibilidade sonora: contributos para o estudo da psicologia da gravidez

Mª Eduarda Salgado Carvalho, Joao Manuel Rosado de Miranda Justo

Resumen


Introdução: Esta comunicação pretende descrever um estudo longitudinal acerca da aplicação da Escala do Desenho da Gravidez e da Escala da Sensibilidade Sonora-Musical na Gravidez, ambas construídas e validadas para este estudo, numa amostra de 211 mulheres grávidas aguardando a realização das ecografias do II e do III trimestres de gestação. Objectivos: 1) avaliar a evolução das variáveis do desenho da gravidez e das variáveis sonoro-musicais na passagem do II para o III trimestre e 2) analisar a contribuição de cada uma de estas variáveis para o estudo da psicologia da gravidez. Método: 1) estudo longitudinal comparando as variáveis do desenho da gravidez e a sensibilidade sonoro-musical observadas nos dois momentos de avaliação; 2) estudo correlacional entre cada uma destas variáveis e as variáveis de vinculação materna pré-natal e de orientação materna pré-natal. Instrumentos: Escala do Desenho da Gravidez (Carvalho, 2011), Escala da Sensibilidade Sonora-Musical na Gravidez (Carvalho & Justo, 2013), Escala de Vinculação Materna Pré-natal (versão Portuguesa, Camarneiro & Justo, 2010) e Questionário do Paradigma Placentário (versão portuguesa, Carvalho, 2011). Resultados: Os resultados revelam a existência de diferenças significativas, entre o II e o III trimestres nas variáveis estudadas, apontando para: a) um aumento da sensibilidade sonoro-musical no terceiro trimestre, b) uma evolução da auto-representação da imagem materna no terceiro trimestre e c) um aumento da frequência de representação gráfica da posição de apresentação fetal cefálica da imagem do bebé na passagem para o terceiro trimestre. Observaram-se correlações significativas entre, por um lado, as variáveis da sensibilidade sonoro-musical e as variáveis do desenho da gravidez e, por outro lado, as variáveis de orientação materna pré-natal. Registaram-se correlações significativas entre sensibilidade sonoro-musical, por um lado, e vinculação materna pré-natal e a orientação maternal pré-natal, por outro. Conclusão: Será importante investigar a dialética entre a representação do bebé imaginado através de medidas projectivas maternas e a percepção do comportamento fetal recorrendo à observação ecográfica e a medidas biofísicas e hemodinâmicas.

 


Palabras clave


Gravidez; escala do desenho da gravidez; escala das representações sonoro-musicais na gravidez; escala de vinculação materna pré-natal; questionário do paradigma placentário

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


Bion, W. (1984). Elements of Psychoanalysis. London: Karnac Books.

Busnel, M. C., Herbinet, E. (2000). L’aube des sens. Les Cahiers du nouveau-né 5, Paris: Stock.

Brazelton, T. B.; Cramer, B. G. (1993). A relação mais precoce: os pais, os bebés e a interacção precoce. Lisboa: Terramar.

Camarneiro, A. P., & Justo, J. (2010). Padrões de vinculação pré-natal. Contributos para a adaptação da maternal and paternal antenatal attachment scale em casais durante o segundo trimestre de gestação na região Centro de Portugal. Revista Portuguesa de Pedopsiquiatria, 28, 7-22.

Carvalho, M. (2011). O bebé imaginário, as memórias dos cuidados parentais e as representações sonoro-musicais na gravidez no estudo da representação da vinculação materna pré-natal e da orientação para a maternidade. Doctoral Thesis in Clinical Psychology at the Lisbon University.

Carvalho, M. (2013). Construção e validação da EASMG: Escala de Atitudes Sonoro-Musicais na Gravidez. Revista International Journal of Developmental and Educational Psychology. INFAD: Revista de Psicologia. XXV, nº 2. Volumen 1.

Colman, L. & Colman, A. (1973). Gravidez – A Experiência Psicológica. Lisboa: Edições Colibri.

Condon, J.T. (1993). The Assessment of Antenatal Emotional Attachement: Development of a Questionnaire Instrument British. Journal of Medical Psychology, 66, 167-183.

Gerhardt, K.J., & R.M. Abrams. (2004). Fetal Hearing: Implications for the Neonate. In Nocker-Ribaupierre (Ed.). Music Therapy for the Premature and Newborn Infants (pp. 21-32). Barcelona: Publishers Barcelona.

Graffar, M. (1956). Une méthode de classification sociale d’échantillons de population. Courrier du Centre

Granier-Deferre, C., Busnel, & Lecanuet, J. (1981). L’audition prénatale. In Herbinet, E., & Busnel (Eds.). L’aube des sens, Les Cahiers du nouveau-né, 5, 149-182, Paris: Stock.

Hutz, C. S.; Bandeira, D. R. (2000). Desenho da Figura Humana. In J. A. Cunha (Ed.), Psicodiagnóstico V (pp. 124-165), Porto Alegre: Artes Médicas.

Lecanuet, J. P., Granier-Deferre, C., & Busnel, M.C. (1989). Sensorialité foetale: Ontogenèse des systèmes sensoriels, conséquences de leur fonctionnement foetal. Relier, J.-P., Laugier, J., & Salle, B.-L. (Eds.), Médicine périnatale, 201-225.

Lecanuet, C. Granier-Deferre, & Schaal, B. (1991). Les perceptions foetales ontogenèse des systèmes et écologie foetale. In Serge, L., Diatkine, & Soulé (Eds.), Nouveau Traité de psychiatrie de l’enfant et de l’adolescent ,I, (pp. 253-262), Paris: PUF.

MacFarlane, A. (1975). Mother-infant interaction. Dev. Med. Child. Neurol., 19, 1-2.

Machover, K. A. (1949). Proyección de la personalidade n el dibujo de la figura humana: um método de investigação de la personalidad. Havana: Cultural.

Parquet, J., & Delcambre G. (1980). Dessins de corps d’enfants imagines pendant la grossesse. In Rapaport (Ed.), Les Cahiers du Nouveau-Né, nº4. Corps de Mére, Corps d’Enfant, (pp. 201- 218). Paris: Stock

Parncutt, R. (2007). Prenatal Development. The Child as Musician. Oxford: Gary and Mcphensen.

Pujol, R., & Uziel, A. (1988). Auditory development: peripheral aspects. In Meisami, E., & Timiras, P. (Eds.) Handbook of human growth and developmental biology, vol. I., 432-456.

Querleu, D. (2004). La sensorialité prénatale. In Lebovici, S., Diatkine, & Soulé (Eds.). Nouveau Traité de Psychiatrie de L’Enfant et de l’Adolescent, 1, 247- 252. Paris: PUF.

Raphael- Leff. (2009). Psychological processes of childbearing. London: The Anna Freud Centre.

Righetti, P., Dell’Avanzo, M., Grigio, M., & Nicolini, U. (2005). Maternal/paternal antenatal attachment and fourth-dimensional ultrasound technique: a preliminary report. British Journal of Psychology, 96, 129-137. Doi: 10.1348/000712604X15518

Sá, E., & Biscaia. (2004). A gravidez no pensamento das mães- contributo para a avaliação da gravidez através do desenho. In Sá, E. (Ed.), A Maternidade e o Bebé, 13-21, Lisboa: Fim do Século.

Swan-Foster, N., Foster, S., & Dorsey, A. (2003). The use of the human figure drawing with pregnant women. Journal of Reproductive and Infant Psychology, 21 (4), 293-307.

Tolor, A., & Digrazia, P.V. (1977). The body image of pregnant women as reflected in their human figure drawings, Journal of Clinical Psychology, 33 (2), 566-571.

van Bussel, J. C., Spitz, B., & Demyttenaere, K. (2010). Reliability and validity of the Dutch version of the maternal antenatal attachment scale, Archives of Women’s Mental Health, 13, 267-277. Doi: 10.1007/s00737-009-0127-9

Winnicott, D. (1958). Primary maternal preoccupation. In Trough Paediatrics To Psychoanalysis (pp.300-305). London: Karnac Books, 2007.




DOI: https://doi.org/10.17060/ijodaep.2014.n1.v1.346 Statistics: Resumen : 273 views. PDF (Português (Portugal)) : 152 views.  

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2014 Mª Eduarda Salgado Carvalho, Joao Manuel Rosado de Miranda Justo

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

"International Journal of Developmental and Educational Psychology."

Revista Infad de Psicología.

ISSN digital: 2603-5987

ISSN impreso: 0214-9877