Qualidade da vinculação e comportamento antissocial na infância

Brigite Micaela Henriques

Resumen


Os laços afectivos entre as crianças e os pais são considerados bastante relevantes para o desenvolvimento do comportamento pró-social e antissocial. Apesar das mudanças sociais, a família tem sido considerada como um factor decisivo no desenvolvimento de comportamentos disruptivos. A investigação tem procurado compreender se a qualidade da vinculação estabelecida com as figuras de vinculação está ou não associada a futuros comportamentos disruptivos das crianças. Este artigo assenta na revisão da literatura, cujo objectivo consiste sintetizar alguns dos estudos realizados, para a compreensão e explicação da relação entre a vinculação e os problemas de comportamento da criança.

 


Palabras clave


Vinculação; comportamento antissocial

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


Aguilar, B., Sroufe, A., Egeland, B., & Carlson, E. (2000). Distinguishing the earlyonset/persistent and adolescence-onset antisocial behavior types: From birth to 16 years. Development and Psychopathology, 12, (pp. 109-132).

Borges, P., Santos, A. J., Veríssimo, M. & Freitas, M. (2006). Qualidade da Vinculação e Depressão Materna. VI Simpósio Nacional de Investigação em Psicologia da Universidade de Évora.

Cassidy, J. (1999). The nature of the child’s ties. In J. Cassidy & P. R. Shaver (Eds.), Handbook of attachment: Theory, research and clinical implications (pp. 3-20). New York: The Guildford Press.

DeKlyen, M. & Speltz, M. (2001). Attachment and conduct disorder. In J. Hill & B. Maughan (Eds.), Conduct Disorders in Childhood and Adolescence (pp. 320-345). Cambridge: Cambridge Univ. Press.

DeVito, C. & Hopkins (2001). Attachment, parenting and marital dissatisfaction as predictors of disruptive behavior in preschoolers. Development and Psychopathology, 13, (pp. 215-231).

Fonseca, A. C. (2002). Comportamento Anti-Social e Família: Uma Abordagem Científica. Coimbra: Almedina.

Fonseca, A. C. & Simões, M. C. (2002). Estudo do comportamento anti-social: algumas considerações metodológicas. In A. C. Fonseca (Ed.), Comportamento Anti-Social e Família (pp. 475-499). Coimbra: Almedina.

Greenberg, M. (1999). Attachment and psychopathology in childhood. In J. Cassidy & P. R. Shaver (Eds.), Handbook of attachment: Theory, research and clinical implications (pp. 469-496). New York: The Guildford Press.

Guedeney, A. (2004). A teoria da vinculação: A história e as personagens. In N. Guedeney & A. Guedeney (Eds.), Vinculação: Conceitos e aplicações (pp. 25-31). Lisboa: Climepsi.

Johnstone, L. & Cooke, D. J. (2002). Psicopatologia dos pais e comportamento anti-social dos filhos. In A. C. Fonseca (Ed.), Comportamento Anti-Social e Família: Uma Abordagem Científica (pp. 317-371). Coimbra: Almedina.

Jongenelen, I. (2004). Vinculação em mães adolescentes e seus bebés: Da matriz relacional à matriz contextual. Tese de Doutoramento não publicada, Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho, Portugal.

Le Blanc, M. & Janosz, M. (2002). Regulação familiar da conduta delinquente em adolescentes. In A. C. Fonseca (Ed.), Comportamento Anti-Social e Família: Uma Abordagem Científica (pp. 37-92). Coimbra: Almedina.

Lyons-Ruth, K., Bronfman, E., & Parsons, E. (1999). Atypical attachment in infancy and early childhood among children at developmental risk. Part IV. Maternal frightened, frightening, or atypical behavior and disorganized infant attachment patterns. In J. Vondra & D. Barnett (Eds.), Atypical patterns of infant attachment: Theory, research, and current directions. Monographs of the Society for Research in Child Development, 64,3, Serial No. 258, (pp. 67–96).

Main, M., Hesse, E., & Kaplan, N. (2005). Predictability of attachment behaviour and representational processes at 1, 6, and 19 years of age: The Berkeley longitudinal study. In K. E. Grossmann, K. Grossmann, & E. Waters (Eds), Attachment from infancy to adulthood: The major longitudinal studies (pp. 245-304). New York: The Guilford Press.

Machado, T. (2004). Vinculação e comportamentos anti-sociais. In A. C. Fonseca (Ed.), Comportamento Anti-Social e Crime: Da Infância à Idade Adulta (pp. 291-321. Coimbra: Almedina.

Martins, M. J. (2005). O problema da violência escolar: Uma clarificação e diferenciação de vários conceitos relacionados. Revista Portuguesa de Educação, 18, 001, (pp. 93-115).

Moffitt, T. E. & Caspi, A. (2002). Como prevenir a continuidade intergeracional do comportamento anti-social: implicações da violência entre companheiros. In A. C. Fonseca (Ed.), Comportamento Anti-Social e Família: Uma Abordagem Científica (pp. 373-396). Coimbra: Almedina.

Soares, I. (2007). Desenvolvimento da teoria e da investigação da vinculação In I. Soares (Ed.), Relações de Vinculação ao longo do desenvolvimento: Teoria e avaliação (pp. 13-45). Braga: Psiquilíbrios.

Sroufe, L. A., Egeland, B., Carlson, E. A., & Collins, W. A. (2005). Placing early attachment experiences in developmental context: The Minnesota Longitudinal Study. In K. E. Grossmann, K. Grossmann & E. Waters (Eds.), Attachment from infancy to adulthood: The major longitudinal studies (pp. 48-70). New York: The Guilford Press.

Tremblay, R. E., Le Marquand, D. & Vitaro, F. (2000). A prevenção do comportamento anti-social. Revista Portuguesa de Pedagogia, XXXIV, 1,2 e 3, (pp.491-553).

van IJzendoorn (2002). Vinculação, moralidade emergente e agressão: para um modelo socioemocional e desenvolvimental do comportamento anti-social. In A. C. Fonseca (Ed.), Comportamento Anti-Social e Família: Uma Abordagem Científica (pp. 269-300). Coimbra: Almedina.




DOI: https://doi.org/10.17060/ijodaep.2014.n1.v1.347 Statistics: Resumen : 491 views. PDF (Português (Portugal)) : 268 views.  

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2014 Brigite Micaela Henriques

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

"International Journal of Developmental and Educational Psychology."

Revista Infad de Psicología.

ISSN digital: 2603-5987

ISSN impreso: 0214-9877