Perspetivas parentais sobre o contributo do brincar no desenvolvimento da criança

Lina Jose Dias Ramos Rodrigues, Dulce María Pereira Garcia Galvao

Resumen


Brincar é uma atividade própria das crianças de caráter voluntário, espontâneo e que desempenha um papel indispensável na satisfação completa das suas necessidades. Através do brincar as crianças mobilizam e adquirem competências cognitivas, emocionais, físicas e sociais em contextos de aprendizagem significativos que lhes proporcionam os estímulos essenciais ao desenvolvimento humano. Trata-se de um estudo descritivo e exploratório de natureza qualitativa. A colheita de dados realizada entre os meses de maio e junho de 2012 foi feita através da aplicação de entrevista semiestruturada a pais e mães (n=14) de crianças entre os 4 meses e os 3 anos que frequentavam um jardim infantil da cidade de Portalegre. Pretenderam conhecer as perspetivas parentais acerca do contributo do brincar no desenvolvimento das crianças do nascimento aos 3 anos e delinearam os seguintes objetivos: analisar as perspetivas parentais sobre o contributo do brincar no desenvolvimento na criança do nascimento aos 3 anos, descrever os significados parentais associados ao brincar e identificar a aquisição de competências da criança do nascimento aos 3 anos relacionadas com o brincar pelos pais. Todos os pais consideraram que brincar é importante, reconheceram a sua relevância enquanto elemento significativo da infância e identificaram contributos e competências essenciais no desenvolvimento global das crianças a nível cognitivo, emocional, social e físico. Brincar é entendido como uma capacidade natural a ser estimulada e desenvolvida com o intuito de capacitar as crianças. Brincar é fundamental, faz parte da infância, constituindo um direito que lhe é reconhecido e ao qual os pais procuram dedicar tempo de qualidade classificando-o como momento único que reforça e estreita os laços familiares.


Palabras clave


Criança; brincar; pais; desenvolvimento infantil

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


Brown, S., Vaughan, C. (2009). Play: How it Shapes de Brain, Opens the Imagination, and Invigorates de Soul. Recuperado de http://www.amazon.com/gp/product/1583333339?ie=UTF8&tag=usncom20&linkCode=as2&camp=1789&creative=9325&creativeASIN=158333333 9#reader_1583333339

Charlesworth, R. (2008). Understanding Child Development. Recuperado de http://www.google.pt/books id=_qNbuZgYSccC&printsec=frontcover&hl=ptPT&source=gbs_atb&redir_esc=y#v=onepage&q&f=false

Ferreira, B. (2011). O brincar e a interação parental em crianças até aos 4 anos de idade. (Tese de mestrado inédita). Faculdade de Motricidade Humana. Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa.

Ginsburg, K. (2007). The importance of Play in Promoting Health Child Development and Maintaining Strong Parent-Child Bonds. Pediatrics, 119 (1), 182-191. doi:10.1542/peds.2006- 2697

Guaragna, M., Pick, R., Valentini, N. (2005). Percepção de pais e professores da influência de um programa motor inclusivo no comportamento social de crianças portadoras e não-portadoras

de necessidades especiais. Movimento, 11 (1), 89-117.

Kilvington, J., Wood, A. (2010). Reflective Playwork For all who work with children. Recuperado de http://www.google.pt/books?id=AsGbMKsB5GMC&printsec=frontcover&hl=ptPT&source=gbs_

atb&redir_esc=y#v=onepage&q&f=false

Lillemyr, O. (2009). Taking Play Seriously Children and Play in Early Childhood Education – An Exciting Challenge. Recuperado de http://books.google.pt/books?id=w6HmtTc_ETYC&printsec=frontcover&hl=ptPT&source=gbs_atb&redir_esc=y#v=onepage&q&f=fa

Marques, A. (2012). Brincar é crescer. O Nosso Bebé, 3, 86-89.

Meire, J. (2007). Qualitative research on children’s play: A review of recent literature. In Jambor, T. e Gils, J. (Eds.), Several Perspectives on Childrens Play. Recuperado de http://books.google.pt/books?id=cXstAuHpC0C&printsec=frontcover&vq=%22The+Power+of+Play%22&source=gbs_citations_module_r&cad=3#v=onepage&q&f=false

Pontes, F., Magalhães, C. (2003). A Transmissão da Cultura da Brincadeira: Algumas Possibilidades de Investigação. Psicologia: Reflexão e Crítica, 16 (1), 117-124. doi:10.1590/S0102-79722003000100012

Portugal, G. (2008). Desenvolvimento e aprendizagem na infância. In Alarcão et al (Eds.), A educação das crianças dos 0 aos 12 anos (pp. 33-67). Lisboa: Conselho Nacional de Educação. Recuperado de http://www.cnedu.pt/files/pub/EducacaoCriancas/5-Relatorio.pdf

Queiroz, N., Maciel, D., Branco, A. (2006). Brincadeira e desenvolvimento infantil: Um olhar sociocultural e construtivista. Paidéia, 16 (34), 169-179. doi:10.1590/S0103 863X2006000200005

Spada, M. (2011). Mãe e filho, nesta brincadeira todos saem ganhando. Recuperado de http://marciaspada. blogspot.com/2011/08/mae-e-filho-nesta-brincadeira-todos.html

World Health Organization (2010). Global Recommendations on Physical Activity for Health. Geneva: World Health Organization. Recuperado de http://whqlibdoc.who.int/publications/2010/9789241599979_eng.pdf

Zigler, E.; Bishop-Josef, S. (2006). The Cognitive Child Versus The Whole Child: Lessons from 40 Years of Head Start. In Singer, D.; Golinkoff, R.; Hirsh-Pasek, K. (Eds.), Play Equals Learning How Play Motivates and Enhances Children’s Cognitive and Social-Emotional Growth. Recuperado de http://www.google.pt/books id=9EaIvUQziRgC&printsec=frontcover&hl=ptPT#v=onepage&q&f=false

Zuccolotto, S. (2009). A desvalorização do brincar pela família do século XXI. Revista Eletrônica de Divulgação Científica da Faculdade Don Domênico, 2ª (Ed.) Recuperado de http://www.faculdadedondomenico.

edu.br/revista_don/artigo1_ed2.pdf




DOI: https://doi.org/10.17060/ijodaep.2014.n1.v1.350 Statistics: Resumen : 656 views. PDF (Português (Portugal)) : 150 views.  

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2014 Lina Jose Dias Ramos Rodrigues, Dulce María Pereira Garcia Galvao

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

"International Journal of Developmental and Educational Psychology."

Revista Infad de Psicología.

ISSN digital: 2603-5987

ISSN impreso: 0214-9877