Resiliencia das famílias com filhos deficientes

Ana Jorge M, Sandra Eusebio, Fernanda Lopes

Resumen


Perceber o facto de apesar de terem um filho deficiente e isso constituir para as famílias uma experiência penosa, estas serem capazes de responder de forma positiva às adversidades que surgem, demostrando serem famílias resilientes, originou a elaboração deste estudo, cujos objetivos foram: determinar os níveis de resiliência das famílias com filhos deficientes; analisar fatores que interferem com os níveis de resiliência das famílias com filhos deficientes e verificar se há diferença entre os níveis de resiliência das famílias com filhos deficientes e das famílias com filhos com problemas de saúde graves ou cónicos. O método utilizado na pesquisa foi do tipo quantitativo, descritivo-correlacional e não experimental. Os dados foram colhidos junto de uma amostra não probabilística acidental de pais/famílias de crianças com deficiência ou doenças graves ou crónicas, que constituíram os dois grupos de famílias (com e sem deficiência) da nossa amostra, acompanhadas na consulta de um Serviço de Pediatria, num total de cento e oitenta e seis. O instrumento de colheita de dados utilizado foi o questionário. Com base nos dados obtidos constatámos que estas famílias têm maioritariamente níveis de resiliência médios, não havendo registo de níveis de resiliência baixos. A resiliência familiar não se encontra relacionada com as características familiares, as características da deficiência e o suporte familiar e social disponível, relacionando- se apenas com uma das dimensões que integra o funcionamento familiar, a satisfação familiar. Comparando os níveis de resiliência dos dois grupos de famílias, constatámos não haver diferença significativa.


Palabras clave


Resiliência; família; resiliência familiar; deficiência

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


Anaut, M. (2005). A resiliência: Ultrapassar os traumatismos. Lisbo: Climepsi Editores. Antonovsky, A. & Sourani, T. (1988). Family sense of coherence and family sense of adaptation. Journal of Marriage and the Family, 50, 79-92.

Connor, K. M. (2006). Assessment of resilience in the aftermath of trauma. Journal of Clinical Psychiatry, 67:46-49.

Connor, K. M. & Davidson, J. (2003). Development of a new resilience scale: The Connor- Davidson Resilience Scale (CD-RISC). Depression and Anxiety, 18: 76-82.

Cyrulnik, B. (2004). Os Patinhos feios. São Paulo: Martins Fortes.

Infante, F. (2005). La resiliencia como proceso: una revisión de la literatura reciente. In A. Melillo, & E. Ojeda (Eds.), Resiliencia: descubriendo las propias fortalezas (pp. 31-53). Buenos Aires, Argentina: Paidós.

Jardim, J. & Pereira, A. (2006). Competências pessoais e sociais: guia prático para a mudança positiva. Porto: Asa Editores, S.A.

Laranjeira, C. A. S. J. (2007). Do vulnerável ser ao resiliente envelhecer: revisão de literatura. Revista Psicologia: Teoria e Pesquisa. 23 (3), 327-332.

Libório, R. M. C.; Castro, B. M. & Coelho, A. E. L. (2006). Desafios metodológicos para a pesquisa em resiliência: conceitos e reflexões críticas. In: Aglio, D. D. D.; Koller, S. H.; Yunes,

M. A. M. Resiliência e Psicologia Positiva: Interfaces do Risco à Proteção. (pp. 89-115) São Paulo: Casa do Psicólogo.

Machado, A. P. O. (2010). Resiliência e Promoção de Saúde: uma Relação Possível. Portal dos Psicólogos. Disponível em: www.psicologia.pt/artigos/textos/A0516.pdf.

McCubbin, H. I. & McCubbin, M. A. (1988). Typologies of resilient families: emerging roles of social class and ethnicity. Family Relations, 37, 247-254.

Patterson, J. M. (2002). Understanding family resilience. Journal of Clinical Psychology. 58(3), 233-246.

Pesce, R. P., Assis, S. G., Santos, N. & Oliveira, R. (2004). Risco e Protecção: Em busca de um equilíbrio promotor de resiliência. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 20 (2): 135-143.

Rebelo, J. (2008). Relações familiares e toxicodependência. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação - Universidade de Coimbra, Coimbra.

Sapienza, G. e Pedromônico, M.R. (2005). Risco, protecção e resiliência no desenvolvimento da criança e do adolescente. Psicologia em Estudo, 10 (2): 209-216.

Silva, A. N. S. (2007). Famílias Especiais: Resiliência e Deficiência Mental. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, PUCRS. Acedido em novembro 17, 2012: http://tede.pucrs.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=1216.

Sordi, A. O.; Manfro, G. G. & Hauck, S. (2011). O Conceito de Resiliência: Diferentes Olhares. Rev. bras. psicoter. 2011; 13(2):115-132.

Tavares, J. (2001). A resiliência na sociedade emergente. Em Tavares J. (Org.) Resiliência e educação, (pp. 43-75). São Paulo: Cortez.

Walsh, F. (1996). The concept of family resilience: Crisis and challenge. Family Process, 35, 261-281.

Walsh, F. (1998). Strengthening family resilience. New York; London: The Guilford Press. Walsh, F. (2005). Fortalecendo a Resiliência Familiar. São Paulo: Roca.

Yunes, M. A. M. (2001). A questão triplamente controvertida da resiliência em famílias de baixa renda. Tese de Doutoramento, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Yunes, M. A. M. (2006). Psicologia Positiva e Resiliência: foco no indivíduo e na família. In: Aglio, D. D. D.; Koller, S. H.; Yunes, M. A. M. Resiliência e Psicologia Positiva: Interfaces do Risco à Proteção. (pp. 45-68). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Yunes, M. A. M & Szymanski, H. (2001). Resiliência: noção, conceitos afins e considerações críticas. In: Tavares J. (Org.) Resiliência e Educação, (pp. 13-42). São Paulo: Cortez.

Yunes, M. A. M., & Szymanski, H. (2006). O estudo de uma família que supera as adversidades da pobreza: um caso de resiliência em família. Psicodebate 7: Psicologia, Cultura y Sociedad 119-139. Disponível em: www.palermo.edu/cienciassociales/publicaciones/pdf




DOI: https://doi.org/10.17060/ijodaep.2014.n1.v1.360 Statistics: Resumen : 754 views. PDF (Português (Portugal)) : 189 views.  

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2014 Ana Jorge M, Sandra Eusebio, Fernanda Lopes

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

"International Journal of Developmental and Educational Psychology."

Revista Infad de Psicología.

ISSN digital: 2603-5987

ISSN impreso: 0214-9877