Ensino de estratégias para a composição escrita do texto argumentativo

Mª José Bernardo Prata, Sara Sofia de Jesús Ferreira, Mª Isabel Ferraz Festas, Mª Elena Damiao Da Silva, Marisa Daniela Da Costa

Resumen


Esta comunicação tem por objetivo apresentar um projeto de investigação quase-experimental, com metodologia de pré, pós e teste de retenção, sobre o ensino de estratégias facilitadoras da composição escrita do texto argumentativo a alunos do 9.º ano do Ensino Básico português, com 14 a 17 anos de idade. As estratégias de composição escrita, que foram traduzidas do Self- Regulated Strategy Development (SRSD) (Harris et al., 2008) e adaptadas para o contexto escolar português, são ensinadas a todos os alunos participantes (n=270). Porém, consoante se trate do grupo experimental ou de controlo, foram-lhes associadas métodos distintos de exploração prévia de textos, alheios ao modelo do SRSD (Harris et al., 2008), com vista ao desenvolvimento lexical e de criação de ideias, o que reverterá nos textos argumentativos a serem redigidos posteriormente. Assumida a eficácia do SRSD (Harris et al., 2008), testado em mais de 30 anos de investigação, centramos o foco da nossa investigação nos dois métodos de exploração de textos como promotores da criação de ideias. Para isso, na fase prévia à composição textual, os alunos do grupo experimental (n=140) são instruídos, de forma explícita e direta, no contexto colaborativo do jigsaw, enquanto os alunos do grupo de controlo (n=130) realizam as tarefas de exploração de textos exclusivamente de forma individual. Este programa foi iniciado em outubro de 2013 e decorre até meados de março de 2014, paralelamente, em quatro escolas públicas do Ensino Básico, três localizadas na periferia e uma na área urbana de Coimbra. É aplicado uma vez por semana, ao longo de doze sessões por sete professoras de Português, que participaram em sessões de formação adequadas respetvamente a cada grupo, experimental e de controlo. As três medidas de avaliação do programa serão realizadas por todos os alunos participantes e analisadas segundo critérios quantitativos e qualitativos.


Palabras clave


Estratégias de escrita; texto argumentativo; SRSD; jigsaw; formação de pro-fessores; ensino de Português

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


Albuquerque, C. (2002). A composição escrita nas dificuldades de aprendizagem. Psychologica. 30, 79-94.

Adam, J. M. Les textes: Types et Prototypes - Récit, description, argumentation, explication et dialogue. Paris: Nathan, 1992.

Archer, A. A. & Hughes, C. A. (2011). Explicit instruction. Effective and efficient teaching. New York: The Guilford Press.

Arends, R. I. (1997). Classroom instruction and management. USA: McGraw-Hill Companies, Inc.

Aronson, E. (2000-2014). Jigsaw classroom. http://www.jigsaw.org/ (03 de março de 2014).

Aronson, E., Wilson, T. W., Akert, R.M. (2005). Social psychology. New Jersey: Pearson Education, Inc.

Bereiter, C. & Scardamalia, M. (1987). The psychology of written composition. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, Publishers.

Carvalho, J. A. B., & Pimenta, J. M. R. (2005). Escrever para aprender, escrever para exprimir o aprendido. [pp. 1877 – 1886]. Braga, Universidade do Minho. Instituto de Educação e Psicologia: Centro de Investigação em Educação.

Crammond, J. (1998).The Uses and Complexity of Argument Structures in Expert and Student Persuasive Writing. Written Communication. DOI: 10.1177/0741088398015002004 http://wcx.sagepub.com/content/15/2/230 (27 de maio de 2013).

Crowhurst, M. (1990). Teaching and Learning the Writing of Persuasive/Argumentative Discourse. Canadian Journal of Education/ Revue canadiénne de l’éducation, 15, 348-359. http://www.jstor.org/stable/1495109 (10 de fevereiro de 2013).

Crowhurst, M. (1991). Interrelationships Between Reading and Writing Persuasive Discourse. Research in the Teaching of English, 25, 314-338. http://www.jstor.org/stable/40171415 (10 de fevereiro de 2013).

De La Paz, S. & Graham, S (2002). Explicitly teaching strategies, skills, and knowledge: writing instruction in middle school classrooms. Journal of Educational Psychology, 94 (4), 687–698.

Duarte, I. M. (2008). Ensino da língua portuguesa em Portugal: o texto, no cruzamento dos estudos linguísticos e literários (pp. 210-232). In Língua Portuguesa: educação & mudança. Rio de Janeiro: Editora Europa.

Ferreira, S., M., Prata, Inácio, M., Sousa, C., Festas, M. I., & Oliveira, A. L. (2012). Ensino de estratégias de escrita em aulas de Língua Portuguesa. In Actas da I Conferência Internacional de Investigação, Práticas e Contextos em Educação. Leiria: ESECS - Instituto Politécnico de Leiria, ISBN: 978-989-95554-9-5 (pp.109-113).

Festas, M. I. (2002). Principais tendências no ensino da escrita de textos. Psychologica. 30, 173-185.

GAVE (2011). Provas de Aferição 2.º ciclo – Língua Portuguesa. Lisboa: Ministério da Educação.

Graham, S. & Perin, D. (2007). Writing next: Effective strategies to improve writing of adolescents in middle and high school – A report to Carnegie Corporation of New York. Washington: Alliance For Excellent Education.

Harris, K., Graham, S., Mason, L., & Friedlander, B. (2008). Powerful writing strategies for all students. Baltimore, MD: Paul H. Brookes Publishing Co.

Johnson, D. W. & Johnson, R. T. (1999). Learning together and alone. Cooperative, competitive, and individual learning. 5th edition. Needham Heights, Massachusetts: Allyn and Bacon.

Kellogg, R. T. (1994). The Psychology of Writing. New York : Oxford University Press, 1999.

Kuhn, D. & Udell, W. (2003). The Development of Argument Skills. Child Development, 74, (1245-1260). http://www.jstor.org/stable/3696176 (22 de janeiro de 2013).

Lopes, J. & Silva, H. S. (2013). A aprendizagem colaborativa na sala de aula. Um guia prático para o professor. Lisboa: Lidel.

Limpo, T. & Alves, R.A. (2013). Teaching planning or sentence-combining strategies: Effective SRSD interventions at different levels of written composition. Contemporary Educational Psychology, 38, 328-341. http://dx.doi.org//10.1016/j.cedpsych.2013.07.004 (08 de novembro de 2013).

Marques, C. & Silva, I. (2013). Português 9.º Ano. Porto: Edições ASA.

Newell, G.E., Beach, R., Smith, J., VanDerHeide, J., Kuhn, D., & Andriessen, J. (2011). Teaching and learning argumentative reading and writing: a review of research. Reading Research Quarterly, 46, 273-304. http://www.jstor.org/stable/41228654 (08 de fevereiro de 2013)

O’Donnell, A. M. (2006). The Role of Peers and Group Learning. In Patricia A. Alexander & Winne, Phijlip H. (Edts.) Handbook of Education. (pp. 781-802). New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, Inc. Publishers.

Santiago, A. & Paixão, S. (2013). P9 – Português – 9.º Ano. Lisboa: texto Editores

Sousa, H. D. (coord.) (2011). Exames nacionais - Relatório 2010. Lisboa: GAVE.

Toulmin, S. E. (1958). The uses of argument. Cambridge: Cambridge University Press. Pearson Education, Inc.

Vieira, M.C. (2010). O ensino do Português. Lisboa: Fundação Francisco Manuel dos Santos.




DOI: https://doi.org/10.17060/ijodaep.2014.n1.v1.363 Statistics: Resumen : 748 views. PDF (Português (Portugal)) : 164 views.  

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2014 Mª José Bernardo Prata, Sara Sofia de Jesús Ferreira, Mª Isabel Ferraz Festas, Mª Elena Damiao Da Silva, Marisa Daniela Da Costa

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

"International Journal of Developmental and Educational Psychology."

Revista Infad de Psicología.

ISSN digital: 2603-5987

ISSN impreso: 0214-9877