Duplo padrão sexual e contraceção nos adolescentes

Ana Frias

Resumen


Várias áreas do conhecimento têm explorado as diferenças/semelhanças entre homens e mulheres e os reflexos que esses aspetos têm na vivência da sexualidade. As culturas humanas, são estruturadas e moldadas na base de diferenças sexuais, separando papéis, tarefas e privilégios entre os dois sexos, surgindo os padrões sexuais caracterizados em cada espaço eco-cultural. Segundo alguns autores, a fórmula da sexualidade feminina têm uma maior dose de cultura relativamente à faceta do substrato biológico, que a sexualidade masculina. Objetivos: 1) Caracterizar as tendências dos adolescentes quanto a duplo padrão sexual; 2) Caracterizar as atitudes dos adolescentes face ao uso de contraceção; 3) Relacionar as tendências do duplo padrão sexual com as atitudes contracetivas. Metodologia: A pesquisa atual é de natureza quantitativa e de carácter exploratório. Estudou-se num grupo de 351 adolescentes, em meio escolar, as relações entre o duplo padrão e as atitudes contracetivas. Utilizou-se a escala de Duplo Padrão (Caron, Davis, Halteman. & Stickle, 1993) e a escala de Atitudes Contracetivas (Kyes, s.d.). O tratamento dos dados foi efetuado no programa SPSS-19. Resultados: Identificou-se um duplo padrão tendencialmente liberal, mais sublinhado nas raparigas, não sendo influenciado pela idade ao considerar o total dos sujeitos. Contudo o duplo padrão mostrou-se inversamente relacionado com a idade no subgrupo das raparigas. Identificaram-se atitudes favoráveis face à contraceção, não influenciadas pela idade, constatandose contudo maior sensibilização das raparigas. Observou-se que o duplo padrão é mais liberal nos indivíduos mais predispostos ao uso de contraceção. Conclusões: O duplo padrão sexual e as atitudes face à contraceção são aspetos importantes a trabalhar quando se pretende estudar a sexualidade na adolescência, na medida em que podem aumentar o conhecimento dos técnicos de saúde, nomeadamente dos enfermeiros, e promover mudanças. Conscientes desta problemática, sugerese- nos adequado continuar a realizar estudos que caracterizem os adolescentes masculinos e femininos face a atitudes contracetivas.


Palabras clave


Adolescência; sexualidade; duplo padrão; contraceção

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


Alferes, V. (1997). Encenações e comportamentos sexuais: para uma psicologia social da sexualidade. Porto: Afrontamentos.

Bancroft, J. (1989) – Human sexuality and its problems. (2th ed.). New York: Melbourne

Baumeister, R. (2000) – Gender differences in erotic plasticity: the female sex drive as socially flexible and responsive. Psychological Bulletin. 126, 347-374.

Baumeister, R.; Catanese, K.; CampbelL, K. & Tice, D. (2000) – Nature, culture, and explanations for erotic plasticity: Reply to Andersen, Cyranowski and Aarestad (2000) and Hyde and Durik(2000). Psychological Bulletin, 126, 3 385-389.

Baumeister, R. & Twenge, J. (2002) – Cultural suppression of female sexuality. Review of General Psychology, 6, 2 166-203.

Buss, D. (1995) – Psychological sex differences. American Psychologist, 50, 3 164-168.

Caron, S.; Davis, C., Halteman, W. & Stickle, M. (1993). Double standart scale. In C. Davis & W. Yarber & R. Bauserman & G. Schreer & S. Davis (Eds.) Handbook of sexuality-related measures. California: Sage Publications.

Claes, M. (1990). Os problemas da adolescência. 2.ª ed. , Lisboa: Editora Verbo.

Fabião, E. (1998). Adolescentes, pares e família. Que cumplicidade?. Acta Pediátrica Portuguesa, 29 (1).

Frias, A. (2006a). Crescer Aqui! - O Duplo Padrão Sexual. Revista Enfermagem e Sociedade, 1, 17-24.

Frias, A. (2006b). Expressões da sexualidade e atitudes contracetivas dos adolescentes. Revista Servir, Maio - Junho. 54 (3), 121-130.

Frias, A. & Chora, A. (2013). Adolescents Sexual Practices. Atención Primaria. Vol 45 (mayo), 82. España: Sociedad Española de Medicina de familia y Comunitaria. ISSN:0212-6567;

Gomes, M. (1998). Modelagem da motivação sexual e sua dependência do desenvolvimento psicomotor. in C. Rodrigues (ed). Manual de psicologia /2: motivação. Porto: Contraponto (pp.359-

Hamilton L, & Elizabeth A. (2009). Gendered Sexuality in Young Adulthood: Double Binds and Flawed Options. Gender & Society. 23: 589-617.

Hatfield, E. & Sprecher, S. (1986). Measuring passionate love in intimate relations. Journal of Adolescence. 9:383-410.

Herold, E. (1981). Contraceptive embarrassement scale. In C. Davis & W. Yarber & R. Bauserman & G. Schreer & S. Davis (Eds.) Handbook of sexuality-related measures. California: Sage Publications.

Kelly, J. & Bazzini, D. (2001). Gender, sexual experience, and the sexual double standard: Evaluations of female contraceptive behavior. Sex Roles: A Journal of Research. 2001; 45: 785-799.

Kyes, K. (s.d.). Contraceptive attitude scale. In C. Davis & W. Yarber & R. Bauserman & G. Schreer & S. Davis (Eds.) Handbook of sexuality-related measures. California: Sage Publications.

Kreager, D. & Staff, J. (2009). The Sexual Double Standard and Adolescent Peer Acceptance. Social PsychologY Quarterly. Jun; 72:143-64.

Lopez, F. & Fuertes, A (1999). Para compreender a sexualidade. (A M. Marques e L. Silva, Trad.). Associação para o Planeamento da Família: Lisboa. (obra original publicada em 1989).

Lopez, F. & Oroz, A. (1999). Para compreender a vida sexual del adolescente. Estella (Navarra): Editorial Verbo Divino

Milhausen, R. & Herold, E. (1999) – Does the sexual double standart still exist ? Perceptions of university women. The Journal of Sex Research, 36, 4 361-368.

Ogden, J. (1999) – Psicologia da saúde. (C. Patrocínio e F. Andersen, Trad.). Lisboa: Climepsi. (Obra original publicada em s.d.).

OMS - Organization Mondiale De La Sante (1988) – Rapport sur la santé dans le monde: La vie au 21º siecle: Une perspective pour tous. Geneve : Organization Mondiale de la Santé.

Ramos, V., Carvalho, C. & Leal, I. (2005). Atitudes e Comportamentos Sexuais de Mulheres Universitárias: A Hipótese do Duplo Padrão Sexual. Análise Psicológica 23(2):173-186. Consultado em Outubro 2012. Disponível em: http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/aps/v23n2/v23n2a08.pdf

Reiss I (1956). The Double Standard in Premarital Sexual Intercourse. A Neglected Concept, Social Force. Mar; 34:224-230.

Reiss I. (1961). Standards of Sexual Behavior. “In” Albert. Ellis and Albert Abarbanel (eds.). The Encyclopedia of Sexual Behavior. Hawthorn. 2:996-1004.

Reiss, I. (2001). Sexual attitudes and behavior. In: Smelser, N.J.; Baltes, P.B. (Ed.). International Encyclopedia of the Social & Behavioral Sciences. New York: Elsevier.

Roque, O. (2001). Semiótica da cegonha: Jovens, sexualidade e risco de gravidez não desejada. Évora: Associação para o Planeamento da Família.

Saavedra, L., Nogueira, C. & Magalhães, S. (2010). Discursos de jovens adolescentes portugueses sobre sexualidade e amor: implicações para a educação sexual. Educ Soc]. Jan/Mar. 31(11):135-56. Consultado em Novembro de 2012. Disponível em: http://www.cedes.unicamp.br.

Sierra, J., Rojas, A., Ortega, V. & Ortiz, J. (2010). Evaluación de actitudes sexuales machistas en universitarios: primeros datos psicométricos de las versiones españolas de la Double Standard

Scale (DSS) y de la Rape Supportive Attitude Scales (RSAS). International Journal of Psychology and Psychological Therapy .April. 7(1):41-60. Consultado em Novembro 2012. Disponível em: http://www.ijpsy.com/volumen7/num1/157.html.

Sprecher, S. (1989) – Premarital sexual standarts for different categories of individuals. The Journal of Sex Research, 26,2 232-248.

Sprecher, S. & Mckinney, K. (1993). Sexuality. Newbury Park: Sage Publications.

Williams J. (2009). Manual de Ética Médica. 2.ª (ed.) Francia: Asociación Médica Mundial. Consultado em Outubro em 2012 Jul. Disponível em: http://www.wma.net/es/30publications/ethicsmanual/pdf/ethics_manual_es.pdf.

Zangão, O. & Sim-Sim, M. (2011). Duplo Padrão Sexual e Comportamentos Afetivo- Sexuais na Adolescência. Revista de Enfermagem UFPE On Line [Reuol] – Qualis Capes B2] [ISSN: 1981– 8963 DOI: 10.5205/1718-11976-4), v. 5(esp), Março/Abril: 328-335.




DOI: https://doi.org/10.17060/ijodaep.2014.n1.v1.381 Statistics: Resumen : 167 views. PDF (Português (Portugal)) : 107 views.  

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2014 Ana Frias

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

"International Journal of Developmental and Educational Psychology."

Revista Infad de Psicología.

ISSN digital: 2603-5987

ISSN impreso: 0214-9877