Um programa de educação estética e artística no 1.º ciclo do ensino básico

Raquel Filipa Santos Mateus, Maria Helena Lopes Damiao da Silva, Mª Isabel Ferraz Festas

Resumen


A educação estética e artística constitui um propósito do sistema de ensino português, sendo aceite a sua importância na formação da personalidade, como área de conhecimento que requer captação, interpretação e fruição do sujeito que, de modo muito particular, se envolve na (re)construção de significados (Bronowsky, 1983). Vários dados empíricos demonstram que esta área contribui para o desenvolvimento integrado de capacidades afetivas, cognitivas e motoras (Delacruz et al, 2009), possibilitando o acesso a uma pluralidade de saberes, bem como a integração de linguagens diferenciadas, que permitem uma leitura crítica do mundo (Marques, 2011). No entanto, a sua concretização é frequentemente secundarizada no currículo relativamente a outras áreas curriculares. Procurando colmatar este dissenso, foi construído e implementado o Programa de Educação Estética e Artística, que assenta numa conceptualização precisa (fruição-contemplação, interpretação-reflexão e experimentação- criação), e mobiliza, a nível nacional, várias instituições, envolvendo uma multiplicidade de agentes educativos. Para consolidar este Programa em contexto escolar, foi desenvolvido um Plano de Formação de Professores. A nossa abordagem centra-se no 1.º Ciclo do Ensino Básico, onde o Programa de Educação Estética e Artística se concretiza na área disciplinar de Expressões – Expressão Plástica e Educação Visual, Expressão e Educação Musical, Expressão Dramática/Teatro e Dança (Departamento da Educação Básica do Ministério da Educação, 2004). Trata-se de uma abordagem que se concretiza no acompanhamento pedagógico-didático da aplicação desse Programa e na avaliação do seu impacto, tanto em termos de aprendizagem (do desenvolvimento dos alunos) como de ensino (no desempenho dos docentes). Estando numa fase exploratória, concretizada em entrevistas semi-estruturadas a professores, os primeiros resultados indicam que estes sujeitos consideram que a educação estética e artística é essencial para o desenvolvimento dos alunos, mas a carga horária que lhe está destinada não é suficiente. Salientam, ainda, que o programa curricular no âmbito das Expressões necessita de adequação aos terrenos educativos.


Palabras clave


Programa de Educação Estética e Artística; 1º Ciclo do Ensino Básico; Expressões

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


Best, D. (1992). A racionalidade do sentimento. O papel das artes na educação. Lisboa: Asa.

Comissão Nacional da UNESCO (2006). Roteiro para a Educação Artística. Desenvolver Capacidades Criativas para o Século XXI. Lisboa: Comissão Nacional da UNESCO.

Conselho Nacional de Educação (1992). Parecer n.º 1/92, Educação artística nas áreas da música, dança, teatro, cinema e audiovisual. Diário da República – II série, de 26 de Setembro.

Conselho Nacional de Educação (1999). Parecer n.º 2/99, Educação estética, ensino artístico e sua relevância na educação e na interiorização dos saberes. Diário da República – II série, de 3 de Fevereiro.

Conselho Nacional de Educação (2010). Parecer n.º 5/2010, Metas educativas 2021 (OEI). Relatório Nacional – Propostas de Metas para Portugal. Diário da República – II série, de 20 de Setembro de 2010.

Conselho Nacional de Educação (2013). Recomendação n.º 1/2013, Recomendação sobre Educação Artística. Diário da República – II Série, de 28 de Janeiro de 2013.

Departamento da Educação Básica do Ministério da Educação (2004). Organização Curricular e Programas. Ensino Básico – 1.º Ciclo (4.ª edição). Lisboa: Departamento da Educação Básica do Ministério da Educação.

Direção-Geral da Educação (2013). Educação Estética e Artística. Consultado a 14.11.2013, em h t t p : / / w w w . d g i d c . m i n - e d u . p t / ? s = p e s q u i s a r & s e a r c h = e d u c a % E 7 % E3o+est%E9tica+e+art%EDstica&filter.

Eurydice (2009). Educação Artística e Cultural nas Escolas da Europa. Consultada a 14.11.2013, em http://eacea.ec.europa.eu/education%20/Eurydice/documents/thematic_reports/113PT.pdf.

Froís, J. P.; Marques, E. & Gonçalves, R. M. (2000). A Educação estética e artística na formação ao longo da vida. In J. P. Frois (Coord.). Educação estética e artística – Abordagens transdisciplinares. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, pp. 201-243.

Gonçalves, R.; Fróis, J. & Marques, E. (2011). Primeiro Olhar – Programa Integrado de Artes Visuais. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Marques, E. (2011). O espaço da arte na educação. In J. B. Xavier (Coord.). Arte e Delinquência. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, pp. 67-81.

Robinson, K. (1982). The Arts in Schools. Principles, practice and provision. Consultada a 14.11.2013, em http://www.gulbenkian.org.uk/pdffiles/The_Arts_in_Schools.pdf.

Searle, J. R. (1999). Racionalidade e realismo. Disputatio, n.º 7, pp. 3-25.




DOI: https://doi.org/10.17060/ijodaep.2014.n1.v2.435 Statistics: Resumen : 869 views. PDF (Português (Portugal)) : 197 views.  

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2014 Raquel Filipa Santos Mateus, Maria Helena Lopes Damiao da Silva, Mª Isabel Ferraz Festas

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

"International Journal of Developmental and Educational Psychology."

Revista Infad de Psicología.

ISSN digital: 2603-5987

ISSN impreso: 0214-9877