Relação entre a inteligência emocional e o rendimento escolar em crianças do 1.º ciclo do ensino básico da RAM

Elisabete Porto Silva, Glória Franco

Resumen


O crescente interesse pela Inteligência Emocional tem motivado, desde os anos 90, o desenvolvimento de numerosos estudos sobre o tema. Um dos enfoques desses estudos tem sido a relação entre a Inteligência Emocional e o rendimento escolar, não existindo muita concordância nos resultados (Ângelo, 2007; Newsome et al., 2000; O’Connor & Little, 2003; Parker et al.,2004; Parker et al.,2006; Silva & Duarte, 2012), pelo que se desenvolveu mais esta pesquisa. A pesquisa foi desenvolvida com um conjunto de 129 indivíduos de ambos os sexos da RAM (Região Autónoma da  Madeira), no sentido de dar resposta às questões: Será que existe alguma relação entre a IE, a IE percebida e o rendimento escolar? Será que o género, a idade, o índice de participação social, o estatuto socioeconómico dos pais e a retenção escolar influenciam a IE e o rendimento escolar? Os instrumentos usados foram: um questionário Sociodemográfico e Educativo onde se recolheram, para além dos dados sociodemográficos, os dados do rendimento académico como: a retenção, as notas da Língua Portuguesa, da Matemática, do Estudo do Meio, nota das provas de aferição a: Língua Portuguesa e Matemática; e o questionário de Inteligência Emocional de Bar-On (Candeias & Rebocho,2007, Candeias et al., 2008). Os resultados revelam que apenas alguns aspetos da IE se relacionam com algumas das variáveis do rendimento escolar, nomeadamente as classificações a Português e a Matemática.


Palabras clave


Inteligência emocional, rendimento escolar.

Texto completo:

PDF

Referencias


Alves, D.R. (2006). O Emocional e o Social na Idade Escolar. Uma Abordagem dos Preditores da Aceitação pelos Pares. (Dissertação de Mestrado). Universidade de Porto, Porto. Retirado de http://hdl.handle.net/10216/19962

Ângelo, I. S. (2007). Medição da Inteligência Emocional e sua Relação com o Sucesso Escolar. (Dissertação de Mestrado). Universidade de Lisboa, Lisboa. Retirado de http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/1288/1/19243_ulfcC091279_tm_tesefinal.pdf

Candeias, A., & Rebocho, M, (2007). Questionário de Inteligência Emocional de Bar-On (Instrumento não publicado de avaliação psicológica).

Candeias, A.A., Rebocho, M., Pires, H., Franco, G., Barahona, H., Charrua, M., Oliveira,M., & Beja,M.J. (2008). Estudos de desenvolvimento da prova de competências sociais: Socialmente em Acção (SA – 360º). In A. Noronha, C. Machado, L.Almeida, M. Gonçalves, S. Martins, & V. Ramalho (Orgs.). Actas da XIII Conferência Internacional Avaliação Psicológica: Formas e Contextos (Cd-Rom). Braga: Psiquilíbrios.

Costa, M.L. (2004). A Compreensão Leitora e o Rendimento Escolar. Um Estudo com Alunos do 4.ºAno de Escolaridade. (Dissertação de Tese). Retirado de http://hdl.handle.net/1822/8141

Esteves, C.V. (2011). Autorregulação Emocional e Ajustamento Comportamental no 1.º Ciclo do Ensino Básico. (Dissertação de Mestrado). Retirado de http://hdl.handle.net/10362/5755

Extremera, N., & Fernández-Berrocal, P. (2003). La Inteligencia Emocional en el Contexto Educativo: Hallazgos Científicos de sus Efectos en el Aula. Revista de Educación 332, 97-116. Retirado de http://www.educacion.gob.es/dctm/revistadeeducacion/articulosre332/re3320611443.pdf?documentId=0901e72b81256ae3

Extremera, N., & Fernández-Berrocal, P. (2004). El papel de la inteligencia emocional en el alumnado: evidencias empíricas. Revista Electrónica de Investigación Educativa, 6 (2). Retirado de http//redie.uabc.mx/vol6no2/contenidoextremera.html

Franco, M. G. (2003). A Gestão das Emoções na Sala de Aula. Projeto de modificações das atitudes emocionais de um grupo de docentes do 1.º Ciclo do Ensino Básico. (Dissertação de Doutoramento).Universidade da Madeira. Funchal.

Gardner, H. (1983/1993). Frames of the mind: The theory of multiple intelligences. New York: Basic Books

Goleman, D. (2009). Inteligência Emocional. Camarate: Círculo dos Leitores.

Machado, P., Veríssimo, M., Torres, N., Peceguina, I., Santos, A.J., & Rolão, T. (2008). Relações entre o conhecimento das emoções, as competências académicas, as competências sociais e a aceitação entre pares. Análise Psicológica,26 (3) 463-478.

Mayer, J. D., & Salovey, P. (1990). Emotional intelligence. Imagination, Cognition, and Personality, 9, 185-211.

Mayer, J., Roberts, R., & Barsade, S. (2008). Human Abilities: Emotional Intelligence. Annu. Rev. Psychol., 59, 507-536. doi: 10.1146/annurev.psych.59.103006.093646

Pons, F., Harris, P. L., & Rosnay, M. (2004) Emotion comprehension between 3 and 11 years: Developmental periods and hierarchical organization. European Journal of Developmental Psychology, 1, 127-151. doi: 10.1080/17405620344000022

Roberts, R.D., Mendonza, C.E., & Nascimento, E. (2002). Inteligência emocional: Um constructo científico? Paidéia, 12 (23), 77-92. Retirado de http://www.scielo.br/pdf/paideia/v12n23/06.pdf

Silva, D.M., & Duarte, J.C. (2012). Sucesso Escolar e Inteligência Emocional. Millenium,42, 67-84. Retirado de http://www.ipv.pt/millenium/Millenium42/ 6.pdf




DOI: https://doi.org/10.17060/ijodaep.2014.n1.v2.457 Statistics: Resumen : 326 views. PDF : 151 views.  

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2014 Elisabete Porto Silva, Glória Franco

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

"International Journal of Developmental and Educational Psychology."

Revista Infad de Psicología.

ISSN digital: 2603-5987

ISSN impreso: 0214-9877