Atitudes dos estudante e profissionais de saúde face à investigação científica

António Saraiva, Maria Irene Caires, Cristina Santos

Resumen


Introdução: Define-se “Atitude” como uma disposição ou ainda uma preparação para agir de uma maneira em anteposição a outra de forma positiva ou negativa.

Objectivo: Identificar e analisar as mais diversas atitudes que são manifestadas pelos alunos e profissionais de saúde, perante um estudo metódico. Como tal, espera-se demonstrar que exista uma relação entre as atitudes perante a investigação científica e determinados factores, tais como: o género; a idade; a situação actual; o nível de escolaridade; ser ou não profissional de saúde; ser ou não orientador e as habilitações literárias dos pais.
Material e Métodos: A amostra é composta por 327 indivíduos, dos quais fazem parte alunos e profissionais nas áreas da saúde em Portugal, através de respostas adquiridas do questionário “Atitudes Face à Investigação Científica”.
Resultados: O género feminino tem mais dificuldades na compreensão do conceito de investigação (58%) no entanto, em idades mais baixas, estas são mais preocupadas e sensibilizadas do que o género masculino. Quanto maior o grau académico maior a predisposição para investigar. Os trabalhadores-estudantes tendem a
apresentar mais dificuldades. Por outro lado, os orientadores em projectos de investigação e profissionais na área da saúde têm menos dificuldades na investigação. O progenitor masculino com habilitações literárias mais elevadas influencia directamente os inquiridos.
Conclusões: Existe uma relação entre as atitudes face à investigação com alguns aspectos socio-demográficos. No geral, o género masculino tem uma atitude mais positiva do que as mulheres, o mesmo acontece em idades mais baixas. Comprovou-se que quanto maior é o grau académico do inquirido, maior será a aptidão na
investigação.


Palabras clave


Atitudes; investigação; ciências da saúde

Texto completo:

PDF

Referencias


Batanero, C. e Díaz, C. 2004. El papel de los en la enseñanza y aprendizaje de la estadística. Zaragoza: Instituto de Ciencias de la Educación : J.P.Royo, 125-164.

Bem-Zci, C. 2000. Towards understanding the role of technological tools in statistical learning. Mathematical Thinking and Learning. 127-155.

Brito, M. R. F. 1999. Um estudo sobre as atitudes em relação à matemática em estudantes de 1º e 2º graus. Tese de Livre Docência. Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, São Paulo : s.n.

Cardoso, R.L., Mendonça, N.R e Oyadomari, J.C. Os estudos internacionais de competências e os conhecimentos, habilidades e atitudes do contador gerencial brasileiro: análise e reflexões. Brazillian Busines Review, 2010 Set-Dez. 91-113.

Department for Education. Science and Maths: A consulation paper on the supply and demand of newly qualified young people. s.l. : Department for Education, 1994.

Gal, I. e Ginsburg, L. 1994. The Role of Beliefs and Attitudes in Learning Statistics: Towards an Assessment Framework. s.l. : Journal of Statistics Education, , Vol. II. 1-16.

Jovanovic, J. e King, S. 1998. Boys and girls in the performance-based science classroom; Who´s doing the performing? 35, s.l. : American Educational Research Journal, Vol. 3. 477-496.

Kang, H. S. e Kim, M. J. 2005. Barriers and attitudes to research among nurses in one hospital in

Korea. s.l. : Pubmed, Junho. 656-63. Lightbody, P. e Durndell, A. 1996. Gendered Career Choice: is sex-stereotyping the cause or the consequence.

, s.l. : Educational Studies, Vol. 2. 133-146.

Mantovani, D. e Viana, A. 2008. Atitudes dos alunos de administração com relação à estatística: um estudo comparativo entre antes e depois de uma disciplina de graduação. 2, São Paulo : s.n., Abril-Junho de, Revista de Gestão USP, Vol. 15, pp. 35-52.

Meneguetti, B.R. 2010. Ansiedade e Auto-eficácia Matemática. s.l. : Revista Visão Académica. Papanastasiou, E.C. 2005. Factor structure of the “attitudes toward research” scale. Papanastasiou, E.C. Chipre : Statistics Education Research Journal, Maio. 16-26.

Pimenta, R., et al. 2010. Atitudes face à estatística em diferentes grupos de profissionais de saúde em formação. Novena Conferencia Iberoamericana en Sistemas, Cibernética e Informática. Flórida : s.n.,. pp. 40-45.

Pimenta, Rui. 2011. Cultura, Atitudes Face à Estatística e a Investigação em Ciências da Saúde. Porto: Universidade Católica Portuguesa,.

Quintino, C.A., Guedes, T.A. e Martins, A.B. 2001. Análise estatística das atitudes dos alunos de iniciação científica da Universidade Estadual de Maringá, em relação à disciplina Estatística. 1523-1529.

Roberts, D. e Saxe, J.E. 1982. Validity of a statistics attitude survey: a follow-up study. s.l. : Educational and psychological measuremen, 907-912.

Silva, B., Carzola, I. M. e Brito, M. F. 1990. Concepções e atitudes em relação à estatística. Conferência internacional:experiências e perspectivas do ensino da estatística- Desafios para o século XXI. Florianópolis : ufsc,. 18-29.

Silva, C., Cazorla, I. M. e Brito, M. F. R. 1999. Concepções e atitudes em relação à estatística. Anais da conferência internacional: experiências e perspectivas do ensino da estatística. Florianópolis, Santa Catarina : s.n., 18-29.

Smithers, A. e Robinson, P. 1988. The growth of mixed A-levels. Manchester : Department of Education, University of Manchester.




DOI: https://doi.org/10.17060/ijodaep.2014.n1.v3.541 Statistics: Resumen : 615 views. PDF : 114 views.  

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2016 António Saraiva, Maria Irene Caires, Cristina Santos

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

"International Journal of Developmental and Educational Psychology."

Revista Infad de Psicología.

ISSN digital: 2603-5987

ISSN impreso: 0214-9877