Comportamento antissocial na infância e adolescência

Brigite Micaela Henriques

Resumen


A família, como papel central na socialização das crianças e adolescentes, tem sido considerada um factor decisivo no desenvolvimento da delinquência juvenil. Desde o final do século XIX, a temática família e conduta delinquente tem despertado o interesse dos especialistas em ciências humanas (educação, psicologia, psiquiatria, serviço social, sociologia, criminologia). Estes profissionais indicam que a forma de interagir adequadamente com os adultos significativos e grupo de pares é relevante para o desenvolvimento da criança e do adolescente. Este artigo assenta na revisão da literatura, cujo objectivo consiste sintetizar alguns dos estudos realizados, para a compreensão e explicação dos factores que contribuem para a ocorrência de comportamento antissocial da criança e do adolescente.


Palabras clave


Comportamento antissocial; factores de risco; factores de protecção

Texto completo:

PDF

Referencias


APA (2000). DSM-IV-TR: Manual de diagnóstico e estatística das perturbações mentais. Lisboa: Climepsi.

Fonseca, A. C. (2004). Comportamento Anti-Social e Crime: Da Infância à Idade Adulta. Coimbra: Almedina.

Gaspar, M. (2003). O trabalho com pais na prevenção do comportamento anti-social [Parenting intervention and prevention of antisocial behavior]. In I. Alberto et al. (Orgs). Comportamento Anti-Social: Escola e Família. Coimbra. Centro de Psicopedagogia da Universidade de Coimbra.

Kagan, J. (2004). Comportamento anti-social: contributos culturais, vivenciais e temperamentais. In A. C. Fonseca (Ed.), Comportamento Anti-Social e Crime: Da Infância à Idade Adulta (pp. 1-10). Coimbra: Almedina.

Le Blanc, M. & Janosz, M. (2002). Regulação familiar da conduta delinquente em adolescentes. In A. C. Fonseca (Ed.), Comportamento Anti-Social e Família: Uma Abordagem Científica (pp. 37-92). Coimbra: Almedina.

Machado, T. (2004). Vinculação e comportamentos anti-sociais. In A. C. Fonseca (Ed.), Comportamento Anti-Social e Crime: Da Infância à Idade Adulta (pp. 291-321. Coimbra: Almedina.

Marinho, M. L. & Caballo, V. E. (2002). Comportamento anti-social infantil e o seu impacto para a competência social. Psicologia, Saúde & Doenças, 3 (2), 141-147.

Martins, M. J. (2005). Condutas agressivas na adolescência: Factores de risco e de protecção. Análise Psicológica, 2, XXIII, 129-135.

Moffitt, T. E. & Caspi, A. (2002). Como prevenir a continuidade intergeracional do comportamento anti-social: implicações da violência entre companheiros. In A. C. Fonseca (Ed.), Comportamento Anti-Social e Família: Uma Abordagem Científica (pp. 373-396). Coimbra: Almedina.

Naplava, T. & Oberwittler, D. (2002). Factores familiares e delinquência juvenil – resultados da investigação sociológica na Alemanha. In A. C. Fonseca (Ed.), Comportamento Anti-Social e Família: Uma Abordagem Científica (pp. 157-180). Coimbra: Almedina.

Patterson, G. R. & Yoerger, K. (2002) Um modelo desenvolvimental da delinquência de início tardio. In A. C. Fonseca (Ed.), Comportamento Anti-Social e Família: Uma Abordagem Científica(pp. 93-156). Coimbra: Almedina.

Tremblay, R. E., Le Marquand, D. & Vitaro, F. (2000). A prevenção do comportamento anti-social. Revista Portuguesa de Pedagogia, XXXIV, 1,2 e 3, (pp.491-553).




DOI: https://doi.org/10.17060/ijodaep.2014.n1.v4.592 Statistics: Resumen : 524 views. PDF : 265 views.  

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2016 Brigite Micaela Henriques

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

"International Journal of Developmental and Educational Psychology."

Revista Infad de Psicología.

ISSN digital: 2603-5987

ISSN impreso: 0214-9877