Psicologia e educação: internacionalização do ensino e da investigação

Feliciano H. Velga

Resumen


A problemática da internacionalização da investigação e do ensino tem surgido como importante e atual, em várias áreas e diferentes modelos teóricos, destacando-se, no entanto, a escassez de investigações e a necessidade de aprofundamento das existentes. O objetivo geral desta Conferência foi considerar especificidades da internacionalização da investigação e do ensino em Psicologia e Educação. Falar da dimensão transnacional da investigação e do ensino implicou considerar variáveis como educação e valores, humanização, democratização, fragilidades, investimentos, espaços de conhecimento, visibilidade, avaliação, projetos e acordos bilaterais. O problema considerado foi o seguinte: Como se processam as relações entre estas variáveis, atendendo a múltiplas interações que as condicionam, levantando desafios globais e buscas de interação entre países? O conceito de internacionalização da educação superior surge com uma diversidade de termos relacionados e várias fases de desenvolvimento. A internacionalização foi conceptualizada como trocas internacionais relacionadas com a educação, e a globalização foi entendida como uma fase avançada do processo de internacionalização (Bartell, 2003). Constatou-se a falta de estudos empíricos, embora se encontrem perspetivas conceptuais que deixam antever hipóteses de respostas aos problemas de afirmação da Psicologia e Educação, nos desafios derivados da internacionalização da investigação e ensino, em geral e no espaço de conhecimento luso-americano. Pôde constatar-se que, ao longo da História, o maior erro da educação e da ciência foi “dar ajuda ao mais potente”, na guerra e na fome. Conclui-se que urge humanizar a ciência e, internacionalizando-a, levá-la aos cidadãos, qualquer que seja o país onde se encontrem. Implicações sociopolíticas são referenciadas, bem como sugestões de intervenção, rumo a uma educação para todos.


Palabras clave


Internacionalização da investigação; ensino superior; estudantes universitários estrangeiros; psicologia e educação; humanização da ciência

Texto completo:

PDF

Referencias


Altbach, P. G. (2001). Why higher education is not a global commodity. The Chronicle of Higher Education. USA, v. 47.

Bartell, M. (2003). Internationalization of universities: A university culture-based framework. Higher Education. Manitoba, Winnipeg, p. 37-52.

Correia, H. (2012). A Terceira Miséria. Lisboa: Edição Relógio D’Água

Estrela, M. T. (2008). As Ciências da Educação, Hoje. In J. M. Sousa (Org.), Actas do IX Congresso da SPCE — Educação para o sucesso: políticas e atores. Funchal: SPCE, pp. 15-35.

Feitosa, M. A. G. (2007). Implicações da internacionalização da educação para a formulação de currículos em Psicologia. Temas em Psicologia, Vol. 15, 1, 91-103.

Fiolhais, A. (2014). Diário de Notícias, 10, 1.

Guzzo, R. S. L., Moreira, A. P. G., & Mezzalira, A. S. C. (2013). Intervenção psicossocial: teoria e prática na inserção do psicólogo em instituições públicas de ensino. In M. H. Bernardo, R. S. L.

Guzzo & V. L. Souza (Orgs.), Psicologia social: perspectivas críticas de atuação e pesquisa (pp. 69-89). Campinas: Alínea.

Helisten, M., & Prescott, A. (2004). Learning at university: the international student experience. International Education Journal. v.5, n.3, p. 344-351.

Hessel, S. (2011). Indignez-vous. Paris: Indigène Éditions.

Knight, J. (2004). Internationalization remodeled: definition, approaches, and rationales. Journal of Studies in International Education, v.8, n.1, p. 5-32.

Lima, L. (2009). Investigação e investigadores em educação: Anotações críticas. Sísifo, Revista de Ciências da Educação, 12, p. 63-72.

Mendes, V. (2002). Direitos Humanos: Declarações e Convenções Internacionais (1ª Edição). Lisboa: Vislis Editores.

Moreira, A. M. (2013). Memórias do Outono Ocidental - Um Século sem Bússola. Coimbra: Almedina.

Morosini, M. C. (2006). Estado do conhecimento sobre internacionalização da educação superior — Conceitos e práticas. Educar, Curitiba, n. 28, p. 107-124.

Nóvoa, A. (2001). Eu pedagogo me confesso. Diálogos com Rui Grácio. Inovação, 14, 1-2, pp. 9-33.

Nóvoa, A. S. (2014). Adriano Moreira: Memórias do Outono Ocidental: Um Século sem Bússola. Jornal de Letras, nº 130, www.jornaldeletras.sapo.pt

Pacheco, J. (2009). Ciências da Educação e investigação: o pesadelo que é o presente. Sísifo. Revista de Ciências da Educação, pp. 5-18.

Pina, M. A. (2011). Como se desenha uma casa. Lisboa: Assírio & Alvim.

Santos, F. S., & Filho, N. A. (2012). A Quarta Missão da Universidade. Internacionalização Universitária na Sociedade do Conhecimento. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra

Veiga, F. H. (2006). Vapor de Pedra. Lisboa. Universitária Editora.

Veiga, F. H. (Coord.) (2013). Psicologia da Educação: Teoria, Investigação e Aplicação - Envolvimento dos Alunos na Escola. Lisboa: Climepsi Editora.

Veiga, F. H., García, F., Neto, F., & Almeida, L. (2009). The Differentiation and Promotion of Students´ Rights in Portugal. School Psychology International, Vol. 30(4), 421-436.




DOI: https://doi.org/10.17060/ijodaep.2014.n1.v5.669 Statistics: Resumen : 121 views. PDF : 103 views.  

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2016 Feliciano H. Velga

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

"International Journal of Developmental and Educational Psychology."

Revista Infad de Psicología.

ISSN digital: 2603-5987

ISSN impreso: 0214-9877